Elleguá - Eschu - Exú - Elegwa

2020536

ORICHAS - IKÚ LOBI OCHA

Para mim Eleggwá será um dos Orichás que mais sinto presente na minha vida, não por ser o meu Orichá tutelar, mas sempre que está no meu caminho, muito me honra a sua presença na minha vida. Se o tivermos como nosso aliado nesta vida, tudo iremos conseguir, pois é ele que nos ajuda a encontrar caminhos e soluções na nossa vida. Elleguá representa tudo aquilo que acredito existir neste mundo, o bom e o mau, a certeza e a incerteza, o negativo e o positivo. Na sua face da vida, estas facetas existem, por isso devemos ter muito cuidado quando lidamos com Elleguá pois ele nos poderá castigar se levarmos uma vida em oposição a ELE.  

Quando Eleggwá quer que nós seres humanos, tenhamos um caminho e nós pela interferência de outras pessoas ou nossa teimosia acabamento por fazer o contrário, estaremos cientes que nada se faz, enquanto não soubermos ouvir o nosso interior ou seja Eleggwá. Muito se fala de Eleggwá, que é o senhor e dono de todas as oportunidades da nossa vida, e que é ele que abre e fecha todas as portas dos nossos desígnios, é também o encarregado de fazer cumprir as leis sagradas da nossa Mãe Terra. Também temos em mente que será Eleggwá um Orichá sendo o dono de todos os caminhos e portas deste mundo, é ele o fiel depositário do Ashé da nossa vida. Elleguá veste-se com as cores vermelho e negro, ou branco e negro e codificam a sua natureza contraditória do seu ser. O rato é uma das imagens que representa Elleguá, não na sua mais infinita procura de caminhos, que sempre os encontra.  

Em particular, Elegbara aparece na encruzilhada dos humanos e do divino, pois ele é o Orichá infantil e o mensageiro entre os dois mundos (a terra e o céu). Tem uma relação boa com todos os Orichás, mas a mesma é muito mais estreita com Changó e Orumila. Nada neste mundo se pode fazer sem a sua permissão, pois ele é sempre o primeiro a comer. Por isso, Eleguá sempre é chamado em primeiro lugar quando se faz um sacrifício, pois ELE é quem abre as portas entre os dois mundos, abre as portas e os caminhos na nossa vida. 

Elegguá reconhece-se a si mesmo pelos números 3 e 21, e ele é a nossa sorte e destino, com ELE tudo se alcança, e sem ELE nada se consegue. Quando pedimos um conselho a Eleggwá e ele nos fala e nos dá os seus conselhos, esses conselhos, temos a segurança que é o nosso espírito interior quem nos fala através dos Oráculos. 

 

HISTÓRIA DE ELEGGWÁ

Certa ocasião Olofi padeceu de um mal misterioso, que se agravou durante vários dias e o impediu de trabalhar. Todos os Orichás tentaram aliviar as dores, mas as suas medicinas não resultaram em nada. O pai dos Orichás, o criador, já não podia levantar-se pois encontrava-se extremamente debilitado e dorido. Apesar dos seus poucos anos, Elegwuá pediu à sua mãe que o leva-se a casa de Olofi, assegurando que o curaria. O rapaz escolheu ervas para preparar uma bebida. Deu de beber a Olofi que começou rapidamente a curar-se e a fortalecer. 

Agradecendo Olofi, ordenou aos demais Orichás maiores que cedessem a Elegwuá as primazias das oferendas. Depositou nas mãos de Elegwuá uma chave e o fez dono de todos os caminhos que tem a vida. Desde esse dia, tolerou com ilimitada tolerância as suas picardias. 

Por esta razão, é que ele come primeiro antes ainda que Obatalá. Também foi o único que teve a coragem para contar a Obatalá o que Oggún estava fazendo à sua mãe. Este abusava sexualmente dela quando este abandonava a casa deixando-o encarregado dela. Oggún chantageava Ochosi e Ozún com a comida, e maltratava a Elegwuá e o deixava sem comida. Mas este foi contar a Obatalá o que Oggún fazia com Yembó (Yembó Yemanyá é um caminho de Oddua). Obatalá colocou-se em sentinela e agarro Oggún na sua transgressão, desde esse momento, Elegwuá come e tem os privilégios de ser o primeiro em tudo. Existem muitos caminhos nos Elleguás o qual salientamos os seguintes:

 

ESHU AFRA:

É um Elegguá que regularmente vive nos hospitais. Companheiro inseparável de Asojano (Asowuano), vai com ELE ajudando nas doenças, sobre tudo do tipo contagioso. É por isso que se conhece como a criança das doenças contagiosas infantis, como são a varicela, o sarampo, etc. 

Este Elegguá assenta numa pedra porosa ou de pome e leva um segredo que o faz mais forte para ajudar. Não toma aguardente como os demais Elegguás, mas bebe vinho tinto. Entre as suas ferramentas se encontra um bastão de caminhante, e uma taça em madeira onde se confeciona a medicina. A este Elegguá, não se deve ver de frente, e é por isso que leva tapada a cara com palha. Conta a historia que foi ELE, quem ajudou Asowuano quando tinha a doença e graças a ele consegui-o que Oggún e os cães o acompanham, de Ozain, as muletas é de Shangó e o perdão de Olofi. Este Elegguá recebe-se com Obalú Ayé. Colar com contas brancas e negras.

 

ELEGGUÁ ALAWANAESHU LAROYE

ESHU AKOKORIYE

ESHU BARALAYIKI

ESHU ALA LU BANCHE

ESHU AWERE

ESHU ANAKI OLOKUN

ESHU MASANKIO

ESHU INA

 

 

Okanbi

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.