Oricha Oko

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

oricha oko

 

Junto com Olokum é o Orichá mais poderoso neste mundo e um dos mais venerados no panteão Yorubá. Orichá Oko é a terra, pois certo é uma parte deste planeta em que a outra é a água. Ele é mesmo Brumu em pessoa (Brumu significa um caminho de Oddua). Do seu casamento da terra e do mar, nasceram todos os Orichás da nossa religião, nasce também o amor da Orichá Oko e Yemanjá e nasce também o amor que fala na letra (7-8). Este Santo tem duas caras, de dia é um homem correto e harmonioso mas de noite é tudo ao contrário. 

Este Ocha fala pela boca de Yemanjá. Todo o Santeiro ou praticante deve ter este Santo no seu Itá, pois a mesma terra que pisamos, a ela iremos um dia voltar. O motivo que devemos receber é para estarmos firmes na terra na nossa caminhada. Oricha Oko e Yemanjá são Ocaninis (o mesmo coração) e não há um sem o outro. 

Ele é tão velho como Obatalá e tem a sua primeira etapa na criação do chão que pisamos e que nos ampara em toda esta Ara (terra). Toda esta terra, tem a haver com o Orichá Oko tudo o que vive e morre. Daí a sua grandeza com os humanos vivos e os mortos, ele possui o mistério da vida e da morte.  

LENDA

Orixá Okô era filho de Yemanjá e Obatalá. Quando o mundo foi criado, ainda não existia nada plantado. Aqui morava um homem que nada fazia. Este homem chamava-se Oko, o nome que ele tinha recebido do grande criador. Um dia, Olorum chamou este velho esanteria ou santaria cubana em Portugal disse-lhe: - Olha, eu criei o mundo, porém, faltam as plantações, e eu não sei com fazê-las, como plantar. Tu, vais ser incumbido dessa tarefa. Oko ficou sentado no chão, pensando: Que grande incumbência Olorum me deu! O que é que eu vou fazer? Pensou, pensou, e aí lembrou-se de que nas suas andanças pelas estradas tinha encontrado uma palmeira, e que em baixo dessa palmeira tinha sempre algumas crianças. Havia uma criança que era muito malandra e muito sagaz, com um corpo bem reluzente. Ele estava sempre com um pedaço de pau mexendo na terra.

Oko lembrou-se, de um dia ter perguntado a esse rapazinho: - Que estás a fazer? E o rapaz respondeu-lhe: Você não sabe que a terra mexida e plantada dá frutos? Plantada como? – perguntou Oko. - É... A gente arruma semente, e tudo isso...- Como arruma semente, se ainda não existe árvore, não existe nada? – interrompeu Oko. 

O rapaz disse-lhe: - Olhe que para Olorum nada é difícil! Oko ficou admirado com as palavras daquela criança. Quando Olorum lhe deu essa empreitada, ele logo se lembrou do rapaz. Voltou ao mesmo lugar e encontrou o rapaz sentado em baixo da palmeira, cavando terra. O buraco já estava maior, e daquele buraco já estava saindo uma terra mais avermelhada. Oko perguntou ao menino: - Porque é que a terra está a sair mais vermelha? - É sinal de que algo de diferente existe nas profundezas da terra.

Você, vê que eu estou a cavar e aqui em cima a terra é mais seca; agora, esta outra parte, é mais molhada, e agora já está a sair uma parte mais densa, mais dura – respondeu o menino, mostrando a terra a Oko. - Continue a cavar – falou Oko. Mas enquanto o menino estava a cavar, a madeira que ele estava a usar quebrou. 

Ele aí pelejou, esfregou no chão, e fez uma ponta na madeira. O menino estava a descobrir naquele momento uma ferramenta, na hora em que ele raspou a madeira no chão. E com ela, ele recomeçou a cavar e tiraram uma lasca dessa terra, que era a pedra. Oko disse :- Vamos fazer algo para cavarmos a terra. Vamos ver se conseguimos qualquer coisa com aquela lasca de pedra. A criança continuou a trabalhar e Oko disse-lhe:

- Eu vou-me embora, você veja se sozinho consegue pensar em algo mais útil para nós trabalharmos. E foi embora, foi embora, foi embora. Foi andando e matutando pelo caminho. No outro dia quando Oko voltou, o rapaz estava com o fogo aceso e com vários pedaços daquela pedra no fogo. Quando fez aquele fogo, ele fez também um canal saindo de dentro do fogo. 

No que as tais pedras iam se derretendo iam escorrendo e o menino ia formando lâminas. Assim foi criado o ferro. E sabe quem era essa criança? Era Ogum, o criador do ferro. Daí em diante, Orixá Oko, o grande zelador e plantador, com suas ideias sobre plantação, colheita e lavoura, e Ogum com as suas ferramentas para ajudar a cavar a terra, o arado, o machado, a foice e a enxada, continuaram a trabalhar juntos nas plantações que têm grande importância na criação do mundo.

 

 

Okanbi

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.

 

 

Categoria: