Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

Os Igbos numa consulta de búzios

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

igbos

 

Dentro do oráculo do diloggún, emprega-se objetos que são manipulados para obter as respostas e indicar se a pessoa vai receber um bem estar (iré), ou pelo contrário, se esta a assinalar um mal (Osogbo), assim como todas as outras perguntas que se realizem. Estes objetos têm pelo nome igbo, quer dizer, agarre, caminho ou alternativa. Existem diferentes classes de igbos, mas os comuns foram concentrados em quatro, como os mais utilizados: 

 

CASCARILHA (EFÚN)

Símbolo da pureza, de paz e bem estar. Também se utiliza para marcar larishe ou remédio para qualquer Osogbo. É utilizada para tirar o Iré, para perguntar ao pé de quem está se é yale ou cotoyale, também para falar com Obbatalá. Como contrapartida utiliza-se a Otá ou o Aye que sempre dão uma resposta negativa (não). 

santeria ou santaria cubana em portugal

PEDRA NEGRA (OTÁ)

Simboliza a imortalidade, longa vida, já que provêm da natureza e não se corrompe. Utiliza-se junto com a cascarilha para marcar o Iré e responde em negativo nesse instante. Também se utiliza para os demais Osogbos.

BÚZIO ENROLADO (AYÉ)

Utiliza-se para perguntar tudo o que está relacionado com doenças, matrimónios, para falar com Oshún pois foi ela, a quem Orúnmila deu como presente o búzio, a sua resposta é positiva (sim), usando como contrapartida a Otá que significa uma vida com obstáculos (não) às perguntas. Em Osogbo representa doenças.

OSSO DE CARNEIRO (ORUNKÚN/EGUNGUN)

Simboliza a morte, já que é o que fica do nosso corpo depois da morte. Utiliza-se para perguntar Ikú ou qualquer pergunta que se refere a Egungun (espíritos).

USO CORRETO DOS IGBOS

Se não agarra nenhum dos Osogbos mencionados, devemos proceder da seguinte maneira: 

Perguntas : Ocha Kuaribo? (Tradução: O mal provem dos Orishás?) se diz que não, então pergunta-se novamente : Eggún Kuaribo? (Tradução: se o mal provêm de um morto).

 

Determinada a fonte do problema, perguntar-se se coloca Lariche (quer dizer, se vai falar algo sobre a cabeça dessa pessoa) se diz que não, então pergunta-se se deseja um Adimú? (ou seja se a pessoa deve oferecer alguma oferenda aos Orichás), se diz que não, pergunta-se, se coloca Abuqueun? (Ou seja uma coisa hoje outra amanhã), se diz que não, deve-se oferecer um Ebó? (Ou seja rogação), se diz que não é porque os Orichás não querem nada com essa pessoa, agora se aceita a rogação, pergunta-se como a querem.

 

O último Osogbo que se pede é Ewon. Se o Santo diz que "não," depois de ter perguntado por todos os 16 Osogbos singulares, então o Osogbo é Gbogbo Osogbos. 

Ibokun Olodumare Iworo ni

Muitos igbos é algo que só complica e muitas vezes faz enrolar ou confundir as pessoas. Na realidade, se vamos fazer de uma forma mais simples e certeira para ter bons resultados numa consulta, simplesmente pode-se utilizar a cascarilha e a Otá pequena. Com estes dois igbos as pessoas que estão a começar a consultar outros, podem fazer e utilizar os dois antes mencionados e com eles realizar uma consulta, pois estes são os dois principais. Já quando se adquiriu um pouco mais de experiência então pode-se ir utilizando os demais igbos. 

 

 

Okanbi

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: