Rua do Xisto nº 150,
4475-509 Nogueira Maia

(351) 913 089 277
geral@centroanastacia.com

Ochún - Oxun

|
Escrito por Okanbi / Omo Aggayú

 ochun

 

Yalorde é um dos tantos nomes porque se conhece a Ochún. Este nome significa Rainha e a Deusa do mel e com esse mel pode retirar Oggún do monte. Todas as Santas o tentaram e não puderam, e quando ela pediu permissão a Olofi para fazer, todas as Santas gozaram com ela. Foi ao monte e colocou nos lábios de Oggún mel, e quando este provou a doçura do mel de Ochún, acabou por se retirar do monte. Diz-se que Yalorde teve amores com todos os Orichás, que conhece os seus segredos e que todos a respeitam e a querem. 

Ela é a rainha da doçura, do amor, do ouro e das águas doces. Tem o atributo de ser a salvadora do mundo. Quando o céu guerreou com a terra, e o castigo foi inundações (o dilúvio), os pássaros trataram de chegar onde estava Olodumaré, para levar o recado da terra. Essas intenções foram em vão, e então Ochún disse que ela conseguia chegar a Olodumaré através do corvo e todos riram-se dela. santeria ou santaria cubana em Portugal

Mas não sabiam que Ochún numa etapa da sua vida era Aura tiñosa (alvorecer radioso). Ela foi e levou a mensagem da terra a Olodumaré e este perdoou a terra e o dilúvio parou. É aqui de Yalorde se torna mensageira de Olofi, sendo este o motivo que todos os Orichás quando vão coroar tem que ir ao Ilé de Ochún para dar conta do que se vai fazer, para que tudo saí bonito e sem problemas. O nome do caminho de Ochún quando foi ao céu era de Ibu Cole.

 

Dia da semana…………...Sábado

Cores………………………Amarelo

Elemento………………….Água doce

Animais……………………Arara

Saudação………………….Erieiê ô ! 

Presentes prediletos.……Flores brancas e amarelas, perfumes, adereços, espelhos, suas comidas e bebidas. 

 

LENDA (1)

Certa vez, numa festa de Obatalá, as sacerdotisas dos vários Orichás, com inveja de Ochún, puseram um feitiço: quando todos se levantaram para saudar Obatalá, ela ficou presa na cadeira e suas roupas ficaram sujas de sangue. Todos se riram e Obatalá ficou zangado. A sacerdotisa, envergonhada, tentou-se esconder, mas nenhum Orixá lhe abriu a porta. Só Ochún a recebeu e transformou as gotas de sangue em penas de papagaio. Sabendo dessa magia, os outros Orichás vieram prestar homenagem a Ochún, e Obatalá deu-lhe a proteção das filhas de Santo, que durante a iniciação passaram a usar uma pena vermelha na testa.

LENDA (2) 

Houve um tempo em que os Orichás masculinos se reuniam para discutir sobre a vida dos mortais e não deixavam as Deusas participarem das decisões. Aborrecida com isso, Ochún fez com que as mulheres ficassem estéreis e então tudo deu errado na terra. Os Orichás foram consultar Olorum e ele explicou que sem a presença de Ochún com seu poder sobre a maternidade, nada poderia dar certo. Os Orichás, então, convidaram Ochún para participar das reuniões: as mulheres voltaram a ser fecundas e todos os projetos dos Orichás tiveram bom resultado.

LENDA (3) 

Quando Changó se apaixonou por Ochún, ela o recusou; então ele tentou violentá-la. Foi impedido por Eshú, que os separou, dizendo que eles só poderiam unir-se, se ela o aceitasse livremente. Zangado, Changó trancou Ochún numa torre muito alta, dizendo que só a soltaria quando ela o aceitasse. Oxum chorou muito; então Exú passou e perguntou o que acontecera. Sabendo da história, foi correndo levar seu pedido de socorro a Olorum. Este soprou em Ochún um pó que a transformou em pomba; assim, ela pôde voar e sair da torre pela janela.

 

 

Okanbi

Com a bênção do meu Pai Aggayú e Yemanjá

Para qualquer outra questão sobre este texto, pode-nos escrever para o nosso correio eletrónico e darei mais explicações ou retirarei dúvidas.

 

 

Comentar


Código de segurança
Atualizar

Categoria: